Incêndios na Amazônia surgem novamente no Brasil com queimadas em florestas derrubadas

Uma testemunha da Reuters viu vastas áreas queimadas e desmatadas na quarta e quinta-feira, enquanto o arco de desmatamento avançava na selva pela cidade fronteiriça de Lábrea, o município com o maior número de incêndios neste ano. Os incêndios aumentaram na floresta tropical brasileira em agosto, de acordo com dados do governo divulgados esta semana, com incêndios no mês bem acima da média histórica pelo terceiro ano consecutivo sob o presidente de direita Jair Bolsonaro.


Crédito de imagem representativa: Twitter (@EmmanuelMacron)
  • País:
  • Brasil

Fumaça espessa ergueu-se sobre a Amazônia brasileira selva enquanto o fogo destruía a floresta tropical destruída e as árvores descartadas cobriam a terra queimada como palitos de fósforo mortos, queimados e pretos. Uma testemunha da Reuters viu vastas áreas queimadas e desmatadas na quarta e quinta-feira, enquanto o arco de desmatamento avançava na selva pela cidade fronteiriça de Lábrea, o município com o maior número de incêndios neste ano.

Incêndios aumentaram no Brasil floresta tropical em agosto, de acordo com dados do governo divulgados esta semana, com incêndios no mês bem acima da média histórica pelo terceiro ano consecutivo sob o presidenteJair de direita Bolsonaro. Esses níveis foram vistos pela última vez há uma década, antes de Bolonaro tomou posse. O presidente de direita tem sido amplamente criticado por impulsionar o desenvolvimento da Amazônia enquanto trabalhava para enfraquecer as proteções ambientais. Os cientistas temem que a rápida taxa de destruição possa sabotar as tentativas globais de limitar a mudança climática.

O ex-capitão do Exército tentou reverter os direitos das terras indígenas - que protegem grandes áreas de floresta tropical - e desfigurou as agências ambientais, passando as responsabilidades de fiscalização para os militares que não conseguiram evitar a destruição. Áreas recentemente desmatadas perto de Lábrea, no sul da Amazonas estado, estavam sendo transformados em pastagens de vacas. Estradas informais de extração de madeira se ramificam da Rodovia Transamazônica, que termina em Lábrea.



Perto dali, há indícios de que a destruição também está se aproximando do protegido Parque Nacional Mapinguari e da reserva indígena Caititu. Satélites registraram 28.060 incêndios na Amazônia Brasileira em agosto, uma queda de 4% em relação ao mesmo mês de 2020, quando os incêndios provavelmente atingiram o ponto mais alto em uma década https://www.reuters.com/article/us-brazil-environment-fires-exclusive-idUSKBN25T349, de acordo com à agência nacional de pesquisas espaciais do Brasil, Inpe.

A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo e é vista como um baluarte vital contra a mudança climática por causa da vasta quantidade de dióxido de carbono que sua vida vegetal absorve e armazena. O nível elevado de incêndios vem apesar da ampla proibição de Bolsonaro contra incêndios ao ar livre e uma implantação militar em resposta à destruição pelo terceiro ano consecutivo.

A Reuters não viu nenhuma evidência de bombeiros do governo ou esforços de fiscalização ambiental em Lábrea. Ministério do Meio Ambiente do Brasil não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

(Esta história não foi editada pela equipe do Top News e é gerada automaticamente a partir de um feed distribuído.)