Os países devem priorizar mulheres grávidas que amamentam para as injeções de COVID-19 -PAHO

'A OPAS recomenda que todas as mulheres grávidas após o primeiro trimestre, assim como aquelas que estão amamentando, recebam a vacina COVID-19', disse a Diretora da OPAS, Dra. Carissa Etienne, durante o briefing virtual semanal da organização. Mais de 270.000 mulheres grávidas tiveram COVID-19 nas Américas e cerca de 1% morreram, disse ela, acrescentando que no México e na Colômbia a doença é a principal causa de mortes maternas este ano.


Imagem representativa Crédito de imagem: Twitter (@panaftosa_inf)

Países nas Américas deve priorizar mulheres grávidas e lactantes na distribuição de injeções de COVID-19, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) disse nesta quarta-feira, saudando a capacidade das vacinas de proteger as mulheres e seus bebês. 'A OPAS recomenda que todas as mulheres grávidas após o primeiro trimestre, assim como aquelas que estão amamentando, recebam a vacina COVID-19,' OPAS Diretor Dr. CarissaEtienne disse durante o briefing virtual semanal da organização.

Mais de 270.000 mulheres grávidas tiveram COVID-19 nas Américas e cerca de 1% morreram, disse ela, acrescentando que no México e Colômbia a doença é a principal causa de mortes maternas neste ano. 'No México , onde as mulheres grávidas foram priorizadas para vacinação por algum tempo, nem uma única mulher vacinada morreu de COVID durante a gravidez, 'Etienne disse.

Os países também devem garantir que as mulheres grávidas tenham acesso a cuidados pré-natais, Etienne disse. Pelo menos 40% dos países regionais relataram interrupções nos cuidados maternos e neonatais durante a pandemia. Apenas 28% das pessoas na latina América e o Caribe foram totalmente vacinados contra COVID-19 até agora, Etienne disse, acrescentando que os números da vacinação variam amplamente, com um quarto dos países regionais ainda sem vacinar até mesmo 20% de sua população.



Guatemala e Nicarágua estão atualmente abaixo de 10% de cobertura vacinal, enquanto a Venezuela está em pouco mais de 11%. Menos de 1% da população do Haiti foi vacinada contra COVID-19. O conselheiro de Doenças Virais Emergentes da OPAS, Jairo Mendez Rico, juntou-se a outras autoridades de saúde para minimizar as preocupações sobre a variante Mu do vírus descoberta pela primeira vez na Colômbia , dizendo que ainda não há evidências sólidas para mostrar que é mais transmissível ou letal do que outros.

Todas as vacinas COVID-19 disponíveis atualmente têm sido eficazes na proteção contra a variante, que tem circulado nas Américas. desde janeiro, disse ele. Houve quase 1,5 milhão de casos de COVID-19 na região na semana passada e mais de 22.000 mortes.

(Esta história não foi editada pela equipe do Top News e é gerada automaticamente a partir de um feed distribuído.)