Dias difíceis pela frente para os húngaros, com os preços subindo

Alimentados por interrupções na cadeia de suprimentos e pelo conflito Rússia-Ucrânia, os preços crescentes estão tornando a vida cada vez mais difícil para os húngaros, alguns optaram por protestar enquanto outros ponderam fechar seus negócios.


 Dias difíceis à frente para os húngaros, à medida que os preços sobem
Imagem representativa. Crédito da imagem: ANI
  • País:
  • Hungria

Budapeste [Hungria], 23 de julho (ANI/Xinhua): Alimentado por interrupções na cadeia de suprimentos e pelo conflito Rússia-Ucrânia, os preços crescentes estão tornando a vida cada vez mais difícil para os húngaros; alguns optaram por protestar enquanto outros ponderam fechar seus negócios. 'O preço do pão aumentou em 200 forint: era 350 o pedaço e agora está em 540', disse Mara Kiss, proprietária de uma padaria familiar, situada em Urom, um subúrbio de Budapeste, à Xinhua.



mistério da ilha de carvalho resolvido

Em resposta ao aumento dos preços, os clientes da Mara optaram por comprar apenas o necessário, como pães e pães, e escolher produtos menos 'luxuosos', como bolos caros cobertos de açúcar ou doces recheados. “Produtos, especialmente doces como pão de ló e bolos de chocolate são muito caros agora, então compro menos desses”, disse Imre Ferenc, um jovem cliente regular da padaria, à Xinhua.

As pessoas têm cada vez mais dificuldades em pagar por suas necessidades, pois literalmente tudo fica mais caro, acrescentou, antes de optar por uma garrafa de refrigerante resfriado. Mara disse que as reclamações dos clientes sobre os preços foram constantes e sua renda diminuiu.





A padaria, fundada há décadas pelo falecido pai de Mara, tem um grande valor emocional para toda a sua família. Mesmo assim, ela agora pensa em vender a pequena loja: 'Nem sei se vou conseguir fazer face ao esperado aumento dos preços da energia, pode simplesmente não valer a pena.' Os preços na Hungria começaram a subir no final do ano passado, causados ​​principalmente por interrupções nas cadeias de suprimentos globais, resultado de bloqueios relacionados ao COVID-19, e foram ainda mais elevados desde a explosão dos preços da energia devido ao conflito Rússia-Ucrânia que entrou em erupção em fevereiro deste ano, de acordo com o portal de negócios local Portfolio.

Para diminuir o peso da inflação, o governo da Hungria limitou os preços de seis alimentos básicos em meados de janeiro e também decidiu em maio impor uma taxa de 2,2 bilhões de dólares nos EUA. dólar 'Extra Profit Taxes' para 2022 e 2023 para conter a inflação. Mas as medidas tiveram pouco efeito, já que a inflação anual atingiu 11,7 por cento e os preços dos alimentos aumentaram 22,1 por cento em junho em relação ao ano anterior, de acordo com os últimos números oficiais.



Os preços da energia subiram tanto que o governo húngaro não pode mais manter seus tetos de preços de energia doméstica e introduziu preços de mercado a partir de 1º de agosto. Quando o consumo estiver acima da média, os preços da eletricidade duplicarão, de 36 forints para 70,1 forints por kWh, e os preços do gás natural aumentarão sete vezes, de 102 forints para 747 forints por metro cúbico. O Banco Nacional da Hungria (MNB) espera que a taxa de inflação anual em 2022 seja de 11 a 12,6%, 6,8 a 9,2% em 2023 e retorne abaixo de 5% apenas em 2024.

Os protestos na Hungria tornaram-se comuns na semana passada, quando manifestantes furiosos bloquearam o acesso a duas pontes da capital. A maioria dos jovens mensageiros em bicicletas e ciclomotores expressavam seu descontentamento quase todos os dias com uma modificação de uma lei tributária chamada 'KATA', que é vista como multiplicadora da taxa de imposto para centenas de milhares de pequenas empresas e particulares. A reação à medida do governo é forte, porque tornará suas vidas mais difíceis, já que o custo de vida se tornou muito mais caro neste país sem litoral da Europa Central.

'A modificação do regime fiscal preferencial 'KATA' tem um enorme impacto na minha vida e na de meus colegas mensageiros, pois estamos trabalhando quase exclusivamente sob esse sistema', explicou Laci Katona, um jovem entregador de alimentos, à Xinhua, em à margem de uma manifestação. A partir de 1º de agosto, os empresários privados sob 'KATA' não poderão faturar as pessoas jurídicas que são seus principais clientes. Isso significa que eles precisam escolher uma taxa de imposto muito mais alta ou deixar o emprego atual.

Enfrentando preços em alta, Laci disse que não tinha escolha. Ele continuaria a participar dos protestos. Após a paralisação das negociações com o governo, as manifestações serão retomadas na manhã da próxima segunda-feira. (ANI/Xinhua)