Outlook desativado? Os usuários relatam problemas com o serviço de e-mail da Microsoft, novamente

'(Is) Outlook inativo novamente ?,' Os usuários perguntaram ao relatar problemas no acesso ao serviço de e-mail da Microsoft.


  • País:
  • Índia

O serviço de e-mail da Microsoft Outlook caiu na quinta-feira, de acordo com o site de rastreamento de interrupções Downdetector e usuários do serviço. Muitos usuários recorreram à plataforma de mídia social Twitter para reclamar da 'queda'.

O Microsoft Outlook / Office 365 está inativo para mais alguém na Índia? pic.twitter.com/P8udtibf1t

- Prasanth S (tsItsmeprasanths) 1 de outubro de 2020

@Panorama outlook também para baixo no Reino Unido pelo que parece. Sem acesso via celular ou laptop por mais de uma hora ...



elenco principal de hanna
— Roz (@TheLovelyRoz) 1 de outubro de 2020

Testando-o nos escritórios da Top News em Sonipat, Índia, podemos confirmar problemas de acesso ao Outlook. Além da Índia, vários países da Europa também foram afetados pela interrupção, de acordo com a Downdetector.

Obrigado por sinalizar isso conosco, a equipe de engenharia está ciente e está investigando ativamente. Mais informações podem ser encontradas no centro de administração em EX223208. Pedimos desculpas pela inconveniência.

- Microsoft Outlook (@Outlook) 1 de outubro de 2020

Ainda não se sabe quantos usuários foram afetados, mas o Downdetector mostrou que em seu pico, mais de 600 pessoas relataram problemas com o Outlook na quinta-feira.

Os problemas com o Outlook surgem poucos dias após uma grande interrupção dos aplicativos de local de trabalho da Microsoft. A interrupção anterior persistiu por várias horas na noite de segunda-feira e causou um alvoroço no Twitter, com vários usuários reclamando que a interrupção significava que eles poderiam perder suas entrevistas de emprego e prazos para as atribuições da faculdade.

Uma atualização nos serviços da Microsoft provavelmente causou a interrupção na segunda-feira, e a Microsoft havia revertido a atualização, de acordo com a Reuters.