Presidente Ramaphosa discursará na Quarta Conferência Mundial sobre Mulheres

A reunião também acontece no contexto do aniversário da Assembleia Geral sob o tema O futuro que queremos, as Nações Unidas que precisamos: reafirmar nosso compromisso coletivo com o multilateralismo.


A Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher inaugural foi realizada em Pequim, China, em 1995 e adotou a Declaração de Pequim - e um plano internacional para alcançar a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres. Crédito de imagem: Twitter (@SAgovnews)
  • País:
  • África do Sul

PresidenteCyril Ramaphosa vai ainda hoje discursar em uma reunião virtual de alto nível para marcar o 25º aniversário da Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher, convocada pela Assembleia Geral das Nações Unidas.



A reunião, a ser realizada sob o tema 'Acelerando a realização da igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas', faz parte da semana de alto nível da 75ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas (UNGA75).

A reunião também acontece no contexto do aniversário da Assembleia Geral sob o tema, 'O futuro que queremos, as Nações Unidas que precisamos: reafirmar nosso compromisso coletivo com o multilateralismo'.





A reunião será uma oportunidade para revisar o progresso feito na implementação da Declaração e Plataforma de Ação de Pequim no contexto da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A reunião também proporcionará aos Chefes de Estado e de Governo e outros líderes uma oportunidade de apresentar novas ações concretas e demonstrar compromissos para acelerar a realização da igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas até 2030, incluindo o apoio ao papel da sociedade civil organizações da sociedade e juventude.



A Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher inaugural foi realizada em Pequim, China, em 1995 e adotou a Declaração de Pequim - e um plano internacional para alcançar a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres.

A Declaração continua sendo um importante instrumento da ONU na busca da agenda feminina global de uma participação plena e igualitária na tomada de decisões econômicas, sociais, culturais e políticas e visa criar um ambiente onde as relações de mulheres e homens sejam baseadas em um princípio de poder compartilhado e responsabilidade, seja no local de trabalho ou nas comunidades nacionais e internacionais mais amplas.

(Com contribuições do comunicado à imprensa do governo sul-africano)