Indústria naval propõe taxa para acelerar futuro carbono zero

'O que o transporte marítimo precisa é de uma medida verdadeiramente baseada no mercado global como esta, que reduzirá a diferença de preço entre os combustíveis com carbono zero e os convencionais', disse o secretário-geral da ICS, Guy Platten. A proposta foi apresentada nesta sexta-feira à agência de navegação da ONU, a Organização Marítima Internacional (IMO).


Crédito de imagem representativa: ANI

As principais associações marítimas propuseram a criação de um imposto global sobre as emissões de carbono dos navios para ajudar a acelerar os esforços da indústria para se tornar mais verde.

Com cerca de 90% do comércio mundial transportado por mar, o transporte marítimo global é responsável por quase 3% das emissões mundiais de CO2 e o setor está sob pressão crescente para se tornar mais limpo. Pela primeira vez, a Câmara Internacional de Navegação (ICS) e a Intercargo propuseram em conjunto uma taxa baseada nas contribuições obrigatórias dos navios que comercializam globalmente, excedendo 5.000 toneladas brutas, para cada tonelada de CO2 emitida.

O dinheiro arrecadado iria para um fundo climático que seria usado para implantar infraestrutura de abastecimento em portos ao redor do mundo para fornecer combustíveis mais limpos, como hidrogênio e amônia , de acordo com a proposta. 'O que o transporte marítimo precisa é de uma medida verdadeiramente baseada no mercado global como esta, que reduzirá a diferença de preço entre os combustíveis com carbono zero e os convencionais', disse o secretário-geral da ICS, Guy Platten.



A proposta foi apresentada nesta sexta-feira à agência de navegação da ONU, a Organização Marítima Internacional (IMO). Um porta-voz da IMO disse que todas as propostas eram bem-vindas e seriam discutidas ainda este ano, acrescentando que 'as propostas sobre medidas baseadas no mercado estão em linha com a estratégia inicial de GEE (gases de efeito estufa) da IMO'.

A IMO realizará uma reunião do grupo de trabalho intersessional programada para o final de outubro, antes de uma sessão do final de novembro do Comitê de Proteção do Meio Ambiente Marinho, que tratará de questões, incluindo esforços de redução de carbono. Em julho, a Comissão Europeia propôs adicionar o transporte marítimo ao mercado de carbono do bloco, visando uma indústria que havia mais de uma década evitado o sistema de taxas de poluição da UE.

O ICS disse que abordagens 'fragmentadas', como a proposta da UE, complicariam significativamente 'a condução do comércio marítimo'.

(Esta história não foi editada pela equipe do Top News e é gerada automaticamente a partir de um feed distribuído.)